Os mitos do orgasmo

Os mitos do orgasmo

Os mitos do orgasmo são muitos, e é interessante observar que dia 31 de julho é o dia mundial do orgasmo, data criada por sex shops inglesas. No entanto, vale lembrar que as mesmas chegaram a uma constatação triste: após encomendarem uma pesquisa, descobriram que cerca de 80% das mulheres inglesas nunca chegaram ao orgasmo. Infelizmente, reclamações como falta de desejo sexual, falta de excitação, dor durante a penetração e dificuldade em chegar ao clímax são super normais.

Ressaltamos, portanto, a importância da terapia sexual. É crucial entender que cada um é responsável pelo próprio prazer sexual, não sendo mais aceitável culpar a parceria. Temos que conhecer o nosso corpo, como ele reage aos estímulos, e passar isso ao parceiro. Culpá-lo, definitivamente, não resolve o problema.

Saiba o que é verdade e o que é mitos do orgasmo:

1 – QUEM ESTIMULA É O RESPONSÁVEL PELO ORGASMO – Falso

Cada pessoa é responsável pelo seu próprio orgasmo. Precisa saber o que mais a excita e quais os pontos de seu corpo são responsáveis pela excitação e assim passar essa informação ao outro. Por isso é preciso buscar a parceria na relação sexual para a troca desta energia.

2 – O ORGASMO É SEMPRE MUITO INTENSO – Falso

Muitas pessoas acham que ter orgasmo é ver estrelas, entrar numa outra dimensão cósmica, uma expressão violenta de sensações, euforia e desfalecimento. No entanto, as sensações do orgasmo são variáveis de pessoa para pessoa. O orgasmo é o resultado de uma excitação crescente, tendo como resultado o clímax, onde está inserido entrega, sentimento e sensações. Ademais, as sensações do orgasmo sofrem influência de fatores intrínsecos (emoções, sentimentos, orgasmos anteriores registrados na memória) e extrínsecos (ambiente, tempo e parceria sexual).

3 – RECEITA DE BOLO PARA CHEGAR ATÉ LÁ – Falso

É comum a procura pela mulher de uma solução rápida, eficaz e de sucesso garantido na busca do orgasmo, como uma receita pré-definida para todas as mulheres. O orgasmo é individual e a receita está na pessoa, na sua entrega, na cumplicidade, tendo como resultado uma excitação crescente até o máximo do prazer sexual.

4 – O TEMPO PARA O ORGASMO MASCULINO E FEMININOS SÃO IGUAIS – Falso

De maneira geral, a excitação crescente até o orgasmo na mulher é mais lento. A mulher, na sua resposta sexual tem mudanças anatômicas na sua genitália para que possa ser penetrada sem dor. Desta forma, os tempos de orgasmo são diferentes. Muitas vezes em um encontro casual, a mulher pode ter um orgasmo dentro de poucos minutos, pelo fator fantasia do momento.

5 – O ORGASMO MASCULINO É A EJACULAÇÃO – Falso

O orgasmo e a ejaculação são respostas fisiológicas diferentes no homem. O orgasmo é uma resposta sensorial, enquanto que a ejaculação é a eliminação do esperma. No homem, geralmente eles acontecem simultaneamente.

6 – PRELIMINARES MAIS LONGAS, ORGASMOS MAIS INTENSOS – Falso

As preliminares são importantes para que a mulher chegue ao orgasmo, porém a intensidade do orgasmo depende exclusivamente da excitação, da entrega total ao momento erótico e de suas emoções.

7 – PONTO G MASCULINO E FEMININO – Este conceito é muito questionado.

Não há comprovação científica que ateste a existência do Ponto G masculino ou feminino mas sim regiões que ao serem estimuladas favorecem o orgasmo. É importante saber que existem zonas erógenas, tanto na região genital como em todo corpo que proporcionam excitação, variadas de pessoa para pessoa. Para os homens as carícias na região perineal e anal podem estimular a próstata e favorecer a ereção. Para as mulheres o canal vaginal possui uma plataforma orgástica, região mais sensível ao toque logo nos primeiros centímetros, que participa efetivamente na elevação da excitação.

8 – TODO SER HUMANO É EQUIPADO BIOLOGICAMENTE PARA TER UM ORGASMO – Certo

Salvo doenças que comprometem a resposta sexual, o nosso corpo está apto para o sexo e consequentemente para o orgasmo. O orgasmo depende mais de fatores emocionais, que promovem as mudanças físicas durante o prazer maior.Na dificuldade ou ausência do orgasmo, é necessário a busca de tratamento por um especialista – terapeuta sexual – para investigar as possíveis causas, físicas ou psicológicas.

9 – HÁ MULHERES QUE EJACULAM – A ciência ainda não comprovou nada a respeito.

O que acontece em alguns casos é que há algumas mulheres que se lubrificam mais do que as outras, pela atuação de glândulas no canal vaginal. Mas estas glândulas não são como a próstata e o canal seminal masculino que podem armazenar um liquido para depois jorrá-lo em determinado momento. Na mulher, estas glândulas assim que produzem o liquido para lubrificação, o solta, e isso é feito durante toda a relação.

10 – ORGASMO ANAL

O Ânus não é preparado anatomicamente falando para produzir um orgasmo. Mas orgasmo é um só e ele não é separado em vaginal, clitoriano, peniano. Ele é uma sensação do corpo inteiro. O que muda são os pontos estimulados para a excitação.

11 – UM MULHER QUANDO TRANSA COM OUTRA TEM ORGASMOS INFINITOS

Quando uma a mulher transa com uma outra não significa que elas terão orgasmos infinitos até que se cansem fisicamente. A mulher, assim como o homem, também tem um período chamado de resolução, ou seja, o período em que o corpo recomeça todo o processo de excitação, realização e novamente o clímax. A diferença entre o homem e a mulher é que ela continua, depois de um orgasmo, em um nível de excitação e ele não.

12 – ORGASMOS MÚLTIPLOS

eles existem e dependem do nível de estimulação durante a relação sexual.

13 – METADE DAS MULHERES PARA TER UM ORGASMO PRECISAM DE ESTIMULAÇÃO CLITORIANA

isso é perfeitamente normal e não se trata de um distúrbio. O orgasmo não depende da penetração para acontecer.

Sylvia Faria Marzano – Médica Urologista e Terapeuta Sexual. Membro da Sociedade Brasileira de Urologia. Corpo Docente da Faculdade de Medicina de Santos – UNILUS. Especialização em Urologia Pediátrica no Hospital Infantil Darcy Vargas (1979-1982). Pós-graduada em Terapia Sexual pela Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana e Faculdade de Medicina do ABC-SP. Médica Colaboradora por dois anos da Disciplina de Urologia da Faculdade de Medicina da Fundação ABC-SP. Diretora Clínica do CEDES – Centro de Orientação e Desenvolvimento da Sexualidade. Diretora do Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática – ISEXP.

Esse conteúdo sobre mitos do orgasmo foi maravilhoso né? Que tal conferir esse outro tema que separamos para você: Orgasmo Do Mamilo: Mito Ou Verdade?

Aproveite e confira nossos produtos em: Gall Sex shop 

Fique por dentro do leque que a Gall oferece:

  • Compras em atacado – Clique aqui
  • Melhor distribuidora de sex shop – Clique aqui
  • Seja uma revendedora(o), baixe o catalogo online – Clique aqui
  • Conheça os melhores produtos para revenda de sex shop – Clique aqui
você pode gostar também

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Saiba mais

Política de Privacidade